sábado, 20 de fevereiro de 2010

Meu avô é uma figura!


Meu avô é uma figura
Braços longos, muito abaixo da cintura
Vive a vida do seu jeito
Camisa social, calça de tergal
Amarrada quase que no peito
Postura altiva, tipo general
Ama sua família, tem ar patriarcal
Conversar com ele é viajar ao passado
Fatos vividos, carros antigos, patrões conquistados
Em minha infância, foi o maior vilão
Exigia modos, silêncio, educação
Não conseguia ver seu grande coração
Mas criança pequena não quer saber disso não
Tem dezenas de frases de efeito
Que repete sempre pra chamar atenção
A gente cai no riso, não tem jeito
E acaba incorporando-as, feito maldição
Sempre foi meio ranzinza, preocupadão
Quer todos sentados à mesa e ele não
É o último à servir-se na hora do jantar
Observa se a comida vai dar pra todos, não vai faltar
Em seu prato esvazia o vidro de pimenta até a metade
Diz que nunca encontrou uma que ardesse de verdade
No fundo gosta de chamar atenção
Depois fica entalado, olhos fechados, segurando a testa com a mão
Sua preocupação é tanta que virou obsessão
Quer saber se todos chegaram bem em casa
Não dorme sem antes fazer a ligação:
¨Alô? Chegou? Tá tudo bem? Descurpe se incomodo!¨
Para todos a mesma coisa, sempre do mesmo modo.
Queria morar em sítio, ter uma horta
Como não dá, planta na caixa d’água, não importa
Faz da casa seu palácio, onde reina
Viajar? Nunca, sempre teima
Já criou cão, peixe, gato, passarinho
Mas não quer que façam barulho, não incomode o vizinho
Faz palavra cruzada, é craque em sudoku
E sempre discute com a vó, que sufoco!
Mas é briga de casal, rotineira, constante
Já virou mania, coisa irritante
Se contrariado fica nervosão
Xinga , bate na mesa, fala palavrão
Falar besteira perto dele é um problema
E hora de ¨cantar parabéns¨ vira dilema
Mas todo mundo sorri, fala entre dentes
Por que na hora da piada ele nunca está presente?
Acho que quer permanecer durão
Ser respeitado, manter reputação
Sempre foi direito, mais honesto não existe
Talvez até ingênuo, sua pureza resiste
Quer ajudar à todos, sempre insiste
Pra isso ganha força, o corpo resiste
Então me lembro que em todas as horas lá estava ele, presente
Embora às vezes, quisera ficar em casa, reinando, ausente
E mesmo ele sendo assim, uma figura
Todos temos algo dele, uma mistura
Até hoje, mesmo gerando polêmica e contradição
Ninguém resiste ao seu charme, gentileza, educação
Um caráter precioso e um imenso coração
O melhor avô do mundo, jóia rara,
Verdadeiro paizão...

À ti, vô Angelo, todo o meu amor...

Sua neta Virvinha

5 comentários:

  1. Há muitas maneiras de homenagear aqueles que amamos, você conseguiu com este texto eternizar uma homenagem.
    Parabéns!!!!

    Tim

    ResponderExcluir
  2. Nossa, texto sensacional para guardarmos pra sempre...perfeito..do jeito q nosso ilustrissimo avô é!
    Parabens Vi!!

    ResponderExcluir
  3. Vi,maravilhoso!!!!
    Me emocionei, chorei e acho que mesmo quem não conhece o Sr.Angelo consegue imaginá-lo, tal qual ele é lendo sua crônica
    Beijos, você vai longe garota

    ResponderExcluir
  4. Puts, parabéns, adorei, não tenho palavras pra dizer qto tudo isso é verdadeiro, vc conseguiu expressar atraves deste texto quanto valioso é esse homem que reina entre nós e que com certeza ficará em nossas vidas e nossos corações para sempre.
    Beijos
    Cida Salles

    ResponderExcluir
  5. Nossa Vi, perfeito, real e eterno como ele mesmo, me emocionei e chorei... Espero que continue nos emocionando com seus textos.

    Mi

    ResponderExcluir